sábado, 13 de setembro de 2014

Os sonhos compõem outros sonhos
Que se adequem à realidade vivida
Por mais  que recrie meus planos
E por melhor roupagem que lhes conceda
O principal é sempre onipresente

A fidelidade que reservo à essa arte
Não me permite originalidades em matéria de sonho.
Tudo que amo reside na escrita
Que como o deus dos que crêem
Salva os que a ele se dão
E condena quem dele se afasta.

Eu posso tão pouco ante às suas investidas,
Tua cruel sedução
Sopra versos à nuca do meu conformismo.

Eu sei da tua espera por mim
No entanto, envelheço e temo que meus versos se tornem
Menos poéticos do que jurídicos.

Que tristeza vir ao mundo e não ser.
Que sufocamento e clausura.
É a pedra de Sísifo,
É o trabalho infindável,
A amputação de membros que se regeneram;
O corte dos galhos que renascem insistentes.

Quem nasce com a arte e não pare
Abortá-la não pode sem que se dê igual fim.

[Aline Nunes] 

quinta-feira, 11 de setembro de 2014

To be Surprised - Sondre Lerche


















"..When I wrap my arms around you 
Every mistake we made crumbles 
When I wrap my arms around you 
Everything echoes a new song.."